Governo do Estado cadastra trabalhadores da Cultura para auxílio da Lei Aldir Blanc


O Governo do Estado da Bahia, através das secretarias estaduais da Cultura (Secult) e do Trabalho, Emprego, Renda e Esporte (Setre) disponibilizaram desde o dia 14 de julho, plataforma do Cadastro Estadual dos trabalhadoras e trabalhadores da cultura. Para além da criação de banco de dados, o cadastro servirá de base para o acesso do auxílio emergencial da Lei Aldir Blanc. Quem já realizou o cadastro da trabalhadora e do trabalhador da cultura lançado em 14 de julho não precisa fazê-lo novamente. A ferramenta também vai traçar um panorama dos profissionais do segmento nos 27 territórios de identidade baianos, fornecendo informações para elaboração de políticas públicas no campo cultural. A plataforma está disponível no site www.cultura.ba.gov.br, ou clique  AQUI.

TPI continua apresentando “Teodorico Majestade” ao vivo em agosto


Em cartaz desde 24 de julho, a nova versão online de um dos principais espetáculos do Teatro Popular de Ilhéus tem feito sucesso. Chegando em sua terceira semana de apresentações, o grupo mantém o ritual de desfechar a noite com um bate-papo virtual entre a equipe, o público e um convidado especial.

No dia 07 de agosto (sexta-feira), o convidado da noite é o ator e diretor Gordo Melo, que além de ter recebido indicações e prêmios em várias montagens das quais participou e dirigiu, também é co-fundador do grupo Vilavox, de Salvador, e tem experiência em gestão pública na área teatral. É idealizador do Festival Maré de Março, coordenador do projeto de formação de jovens atores “Aprendiz em Cena” e co-gestor da Casa Preta Espaço de Cultura. No bate-papo com o TPI, Gordo vai falar sobre Teatro de grupo na Bahia e as trocas do Vilavox com o Teatro Popular de Ilhéus, e sobre como o grupo residente do espaço cultural Casa Preta está se virando durante a pandemia.

No sábado (08), o grupo recebe Maria do Socorro, fundadora e diretora do Instituto Nossa Ilhéus. Ela é empreendedora social reconhecida como liderança comprometida com soluções para a crise ambiental atual e as mudanças climáticas pela rede internacional The Climate Reality Project e compõe o Conselho Consultivo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (ConSOC BID). No Território Litoral Sul da Bahia, compõe o SUL DA BAHIA GLOBAL, que tem como missão formular, estimular e fomentar o programa de desenvolvimento integrado da Costa do Cacau. Socorro conversará sobre a importância de Teodorico para seu mergulho nas lutas por políticas públicas e como o Instituto tem trabalhado durante a pandemia.

“Teodorico Majestade” continuará em cartaz durante todo o mês de agosto, às sextas e sábados, com transmissões sempre às 21 horas. Como a transmissão ocorre via internet, basta comprar um único ingresso para que toda a família possa assistir junta. Os ingressos são limitados, e estão à venda na plataforma Sympla por 10 e 20 reais, onde também será feita a transmissão. O público pode ainda ajudar o grupo com colaborações voluntárias de 50 e 100 reais, e dessa forma contribuir para a manutenção da Tenda TPI durante a pandemia. Além disso, todos os espetáculos do TPI têm uma porcentagem reservada gratuitamente para estudantes de escola pública. Para realizar a compra dos ingressos, basta acessar o site www.sympla.com.br/teatropopulardeilheus.

O espetáculo “Teodorico Majestade” está em cartaz desde 2006, montado como um posicionamento do Teatro Popular de Ilhéus diante dos escândalos ocorridos na cidade, e sua repercussão contribuiu para a mobilização da população ilheense contra o então prefeito Valderico Reis, tendo histórica importância na cassação de seu mandato em 2007. O espetáculo é uma sátira política em formato de cordel sobre um prefeito prestes a perder seu mandato por conta de denúncias que vieram a público, construindo um protesto bem-humorado que mostra o lado ridículo dos bastidores da política corrupta e que, ao mesmo tempo, conclama o povo a exercer seus direitos de cidadão. Na obra, Teodorico, Prefeito de Ilha Bela, está prestes a perder seu mandato depois que uma onda de denúncias de corrupção tomou conta dos noticiários. Até um grupo de teatro resolveu fazer um espetáculo sobre ele. Agora, está acuado, pressionado a assinar seu pedido de renúncia.

Fundado em 1995 por Équio Reis (in memorian), o grupo já produziu dezenas de espetáculos, tendo circulado em diversas cidades do Brasil, chegando também a se apresentar na Europa. A partir de pesquisas e criações, o TPI interfere positivamente no município de Ilhéus e região, promovendo debates, encontros e estudos que contribuem para a formação cultural de seu público. A longevidade do Teatro Popular de Ilhéus é um indicador de um projeto de empreendedorismo cultural exitoso que tem um planejamento à longo prazo bastante sólido e em constante avaliação. Em 2020 completa 25 anos de existência, cujas comemorações contarão com a publicação do livro “A vida é uma rima”, um ensaio biográfico do Teatro Popular de Ilhéus que está sendo escrito pelo crítico teatral e jornalista Valmir Santos. Além disso, antes da pandemia o grupo vinha se preparando para estrear o espetáculo “Sonho de uma noite de verão”, cuja montagem será retomada quando a programação da Tenda for normalizada.

O Teatro Popular de Ilhéus está localizado na Avenida Soares Lopes, em Ilhéus, e é uma instituição cultural independente, atualmente mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.

 

ROTARY CLUB DE ITABUNA RECEBEU GOVERNADORA ASSISTENTE EM REUNIÃO VIRTUAL



A terceira reunião do Rotary Club de Itabuna no ano rotário 2020-21 aconteceu na noite de terça-feira, 21 de julho, através da plataforma zoom e contou com a participação, pela primeira vez nesta gestão, da governadora assistente do Distrito 4391 Alessandra Garcia Morelli, presidente 2019-20 do Rotary Club de Ilhéus. Estiveram presentes também o presidente do Rotaract Itabuna Universitários 2020-21 Paulo Uendel da Silva, o governador 2009-10 Antônio Luís Coelho e o vice-governador 2020-21 Paulo Pereira que são membros do clube itabunens.

Alessandra Morelli

Convidada da noite, a governadora assistente esteve representando o casal governador do D4391 no ano rotário 2020-21, Luiz Antonio Cruz e Yara Maria Cruz, que tomou posse no primeiro dia desse mês de julho. Morelli apresentou, em nome do governador, uma mensagem de motivação, convidando os companheiros para o serviço apesar de todos os desafios que a gestão irá enfrentar diante das mudanças provocadas pela pandemia do coronavírus e falou sobre o lema desse ano rotário: “O Rotary abre oportunidades”.

“Estabelecemos metas e abrimos oportunidades no servir mesmo diante de um cenário inusitado. Estamos vivendo essa nova modalidade no Rotary e com crescimento e superação, acredito que alcançaremos o sucesso esperado e celebraremos esse novo momento”, incentivou.

Além da participação da convidada, questões relacionadas ao enfrentamento à COVID-19 na cidade e os impactos sofridos pelos mais diversos setores da sociedade diante do atual cenário foram debatidos pelos rotarianos.

Transmissão on-line para a posse da nova diretoria do Rotary Club de Ilhéus



O empresário António Augusto de Oliveira Lopes e Costa foi empossado na presidência do Rotary Club de Ilhéus, com transmissão de cargo realizada pela empresária Alessandra Garcia Morelli. A solenidade de posse do novo conselho diretor e da diretoria da Casa da Amizade para o Ano Rotário 2020/2021 ocorreu, presencialmente, restrita aos seus membros, no dia 7 de julho, às 19 horas, no Salão de Reuniões do Sindicato do Comércio Atacadista e Varejista de Ilhéus. 

Alessandra Morelli e António Costa

Em razão das restrições impostas pelo isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, os anfitriões disponibilizaram aos convidados e membros do clube o ambiente virtual da plataforma Zoom, com transmissão on-line de vídeo em tempo real. 

O evento contou com a participação do prefeito Mário Alexandre, do vice-prefeito José Nazal Soub, do ex-governador distrital Paulo Pereira da Silva, da representante da governadoria distrital 4391, Franceneide Torres, o presidente do Rotary Club de Ilhéus Jorge Amado, José Thadeu Dantas Gonçalves, e do vice-presidente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia, Kelsor Fernandes, dentre outros.  

A cerimônia foi conduzida pelo diretor de Protocolo, Josevandro Nascimento. Antes da palavra de agradecimento da ex-presidente Alessandra Morelli, houve a leitura de uma mensagem do governador do Distrito 4391 (que abrange os estados da Bahia, Sergipe e Alagoas), Luiz Antonio Macedo Cruz, seguida de homenagem à rotariana Catiana Oliveira Brito, pelos serviços prestados à entidade. 

O novo presidente António Costa reafirmou a disposição de trabalhar pela missão do Rotary Club no sentido de proporcionar serviços nas áreas de educação e saúde para as camadas mais necessitadas da população. Ele selou o compromisso de total apoio à Escola Rotary e à Biblioteca Mário Morelli, que ficou pronta na gestão de Alessandra.

Integram a nova diretoria do Rotary Club de Ilhéus, Josevandro Nascimento, no cargo de vice-presidente; Catiana Oliveira Brito (1ª Secretária); Eduardo Domingues Brito (2º Secretário); Raimundo do Amaral Fernandes (1º Tesoureiro); Alessandra Garcia Morelli (2ª Tesoureira);  Valter Vieira de Oliveira Junior (1º Protocolo) e Carlos Alberto Souto Silva (2º Protocolo). Tomaram posse na coordenação das comissões, Antonio Marcos Ferreira Campos (Serviços Internos), António Jorge Marques Santos (Serviços Profissionais), Jaqueline Reis da Motta (Serviços à comunidade), Nelson Sério Freire (Serviços Internacionais) e Genildo Barbosa de Souza (Serviços às novas Gerações).

Casa da Amizade – Já a nova diretoria da Casa da Amizade tem como presidente, Odair Alves de Carvalho; vice-presidente, Consuelo de Magalhães Nascimento; 1ª secretária, Catiana de Oliveira Brito; 2ª secretária, Luciana Assis Seixas de Oliveira; 1ª tesoureira, Cristiane Góis Cardoso Fernandes; 2ª tesoureira, Josefa Edileuza Oliveira Silva. A diretoria Social e de Eventos está composta pelas senhoras Luciana Lima Galo, Ana Paula Bitencourt, Zaira Garcia Morelli, Clotildes do Amaral Fernandes Lins, Maria Emília Lâmego Flores, Maria de Lourdes de Souza e Alessandra Morelli.

António Costa e Odair de Carvalho

O Rotary Internacional, fundado pelo advogado americano Paul Harris em 1905, tem como lema deste ano, O Rotary Abre Oportunidades, sob a presidência de Holger Knaack. A organização que congrega mais de um milhão de associados, distribuídos em 35 mil clubes, há 30 anos trabalha para erradicar a poliomielite no mundo e segue firme na luta contra a malária, HIV/Aids, Mal de Alzheimer, esclerose múltipla, diabetes, dentre outras doenças. 

Lemas oficiais do Rotary, Dar de Si Antes de Pensar em Si e Mais Se Beneficia Quem Melhor Serve

História em primeira pessoa


Mariana Benedito


Quando a gente lê, ouve, escreve ou conta uma história, a primeira coisa que ela precisa ter é um narrador. O sujeito que está contando, que está observando, que está passando sua visão. Aquele que descreve como as coisas acontecem, como as cenas se constroem, as ações dos personagens e suas consequências. Identificar quem faz a narrativa é primordial em uma história. E pode mudar completamente o rumo dela, meu amado leitor.

Uma história contada em terceira pessoa tem um efeito; ela descreve o cenário, os personagens, vê as cenas de fora, temos a sensação de sermos expectadores. Uma história contada em primeira pessoa é completamente diferente. O personagem se coloca no enredo, a gente consegue acompanhar seus pensamentos, emoções, quais passos ele pretende dar e a forma como ele lida com as consequências deles. Numa história contada em primeira pessoa, o personagem assume suas ações, assume a responsabilidade.
E onde eu quero chegar com tudo isso, você pode está aí se perguntando, não é mesmo? Pois bem, meu amado ser que me lê aí do outro lado, a sua história está sendo contada como? Você tem contado a sua história, a sua vida em primeira ou em terceira pessoa?

Contar a nossa história em terceira pessoa é colocar nas circunstâncias, do mundo, na vida, nos outros as razões pelas quais você não caminhou aos passos que gostaria. É ir caminhando sem se saber onde quer chegar, o que quer alcançar, o que é essencial e o que é um propósito para você. É responsabilizar Deus e o mundo pelos seus infortúnios e não sair do lugar. “Sim, Mari, mas eu perdi meus pais, minha casa, meu emprego e não tenho mais ninguém nessa vida!” É realmente uma situação das mais desesperadoras, mas é o que existe agora. Esta é a sua realidade a partir de agora. O que você fará com ela?

Contar a sua história em primeira pessoa é assumir a tarefa de fazer o melhor que puder com o que se tem agora, com o que já nos foi dado, com as ferramentas que já foram adquiridas. É assumir a responsabilidade de cuidar da própria vida, entendendo que a dureza faz parte do jogo. As dificuldades, dores e sofrimentos sempre vão existir e, volta e meia, irão nos visitar; mas o que faremos depois? Óbvio que um momento de pausa, de medo, de respiro, de hesitação é necessário também neste processo. Mas e depois? É a atitude que a gente tem depois que dita a narrativa da nossa vida, meu amado.

Viver é um risco constante. E amadurecer é pagar o preço disso. Narrar a nossa história em primeira pessoa é assumir o controle do barco – naquilo que nos cabe – e parar com as acusações sob efeito kamikaze, atirando para todos os lados as culpas dos porquês sua vida não é como você gostaria que fosse. Repara que contrassenso! Você coloca na mão de outra pessoa a responsabilidade pela sua vida. A vida que é só sua!

Assumir a sua vida como sua e você como personagem principal dela, ator ativo e não só expectador passivo, é entender que a gente não controla ou dita o que vai acontecer com a gente; mas o que fazer com tudo isso, a postura e atitude que teremos, isso a gente pode ditar. E é aí que mora toda a diferença.

Quando a gente escolhe contar a nossa história em primeira pessoa – sim, é uma escolha – assumimos as possibilidades em nossa vida. Escolhemos ser leais, escolhemos ser bons profissionais, escolhemos ter caráter, escolhemos ter integridade, escolhemos ter relações mais saudáveis. Escolhemos o caminho que vamos percorrer e damos os passos necessários. Um por vez.
Mas é preciso fazer uma escolha, meu querido leitor.
Como você está contando sua história?


Mariana Benedito – Psicanalista em formação; MBA Executivo em Negócios; Pós-Graduada em Administração Mercadológica; Consultora de Projetos da AM3–Consultoria e Assessoria.
E-mail: [email protected]
Instagram: @maribenedito

INTERAÇÃO AFETIVA OU AMOR?


Antonio Nunes de Souza*

Quando, raramente, não vem em minha mente uma “estória” que mereça uma crônica, ou quando não acordo irritado com a política local e nacional, sempre recorro a vertentes de áreas completamente cheias de divergências e nuances delicadas e difíceis de serem esclarecidas, sem deixar dúvidas, ou margens para longas continuidades do assunto!

Desta feita, mais uma vez, vou falar concretamente, sobre o terrível e muito discutido abstrato “amor”! 

O nome está tão desgastado que, fazer sexo, já é uma afirmação de fazer amor, quando na relação sexual o primordial é excitação, desejo, impacto da beleza, além da questão vulgar e popular de “pele, tesão e sintonia!”

É mais que lógico você poder ter uma relação sexual somente em função das causas acima, sem que exista o tal amor. Apenas atendendo uma necessidade fisiológica que brotou numa ou várias oportunidades, como as outras de nossos corpos de: comer, beber, dormir, xixi, defecar, etc., que temos que obedecer as nossas mentes, para não passarmos mal em função da escassez! 

O que aconteceu no velho passado, foi que criaram um tabu absurdo sobre o sexo, colocando-o como uma coisa pecaminosa, terrível e proibitiva, com alegações tolas, sem validades, somente amedrontantes, criando uma tradição de que, quem faz sem ser maritalmente casado, vai para o inverno. E, por mais incrível que possa parecer, dentro das hipócritas religiões, principalmente as evangélicas, esse discurso proibitivo é bastante acentuado e rigoroso até os nossos dias!

Na minha conceituação, pode-se praticar o sexo eventualmente, com os cuidados devidos, para não contrair doenças transmissíveis, principalmente a HIV, camisinhas preventivas, como também não fazer disso uma profissão, sendo apenas para atender as suas necessidades eventuais que, absolutamente, não está ferindo ninguém, desde quando não crie problemas para terceiros!

O sexo é uma interação de desejos, proveniente de uma excitação, que jamais pode ser chamado de “amor”, pois, na realidade só existe um amor verdadeiro no mundo, que é o amor de mãe. Este sim é o verdadeiro, que engloba carinho, cuidado, respeito, afeto, dedicação, preocupação e meiguice até a morte! Raríssimas são as exceções!

Continuo dizendo que os poetas fazem do “tal amor”, uma linda fantasia que, comprovadamente, consegue alegrar os puros e inocentes. Tenho certeza que, serei combatido pelos pudicos e condenado pelos já fanatizados do tal sentimento, tão propalado!


*Escritor-Historiador-Membro da Academia Grapiúna de [email protected]ot.com

 

Cocó em campanhas nas redes sociais


Os fãs do Lordão, um das mais prestigiadas bandas do sul da Bahia, seguem a uma quarentena não apenas em relação ao Coronavírus. Eles também estão privados de se divertir diante do vocalista Cocó, cujo repertório de seus shows agrada a todas as tendências.

Fora do palco com o Lordão, Cocó tem aparecido em redes sociais, oportunidade em que os fãs aproveitam para matar a saudade. Recentemente, no Facebook, ele agradeceu, em vídeo, pelas doações na live “São Pedro do Bem”.

Cocó com o seu Lordão participou da live, que estimulou moradores de Itabuna e de cidades vizinhas a responder positivamente à iniciativa, voltada para a classe artística.

Então, neste momento de pandemia ajudar ao próximo nunca é demais.

Depressão infantil pode atrapalhar o aprendizado da criança


Ana Regina Caminha Braga, psicopedagoga especialista em gestão escolar, fala sobre como os pais e professores podem ajudar nesses casos 

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a depressão é um transtorno mental que acomete mais de 350 milhões de pessoas em todo o mundo. Transtornos psiquiátricos, perda de um ente querido, crises na família e épocas de isolamento social, como a que estamos vivendo atualmente, são alguns dos fatores que podem desencadear o transtorno, seja em adultos ou crianças.

Apesar de raro, os casos de depressão infantil aumentam a cada dia. Dados revelados pela OMS mostram que esse transtorno é a principal causa da incapacidade em realizar tarefas simples do dia a dia entre jovens de 10 a 19 anos. Aqui no Brasil, estima-se que 1 a 3% da população entre 0 e 17 anos tenha algum quadro depressivo. E quem sofre com esse tipo transtorno pode desenvolver problemas nas mais diversas áreas da vida, como na escola, no trabalho ou no meio familiar.

“Pais e professores devem estar sempre atentos ao comportamento e as emoções da criança

De acordo com Ana Regina Caminha Braga, psicopedagoga especialista em gestão escolar, uma criança pode ficar tão deprimida quanto um adulto, o que muda é a forma como é interpretado este comportamento. “Pais e professores devem estar sempre atentos ao comportamento e as emoções da criança”, afirma. Ouvir as histórias, perguntar como foi o dia e tentar entender a mudança repentina de humor e atitudes são algumas das dicas para resolver o problema da melhor maneira possível.

No caso das aulas virtuais, crianças com quadro depressivo necessitam de uma ajuda extra para encontrar o prazer em estudar. “O professor deve estar atento ao que acontece durante a aula, dando atenção e incentivando cada um de acordo com suas necessidades”, explica. Para Ana Regina, a atuação da equipe pedagógica também é de suma importância em todo esse processo. “O trabalho com essa criança tem que ser em conjunto. Precisamos articular para que ela se sinta confortável em todas as áreas, assim como estar atentos aos efeitos que esse trabalho vem causando. Só assim vamos conseguir possibilitar a recuperação efetiva da criança com depressão”, detalha.

Para os pais e responsáveis, as medidas são as mesmas: ter um olhar mais carinhoso e cauteloso, a fim de ajudar a criança no desenvolvimento de seu autoconceito em relação aos outros.

“As crianças precisam de muita atenção. Elogie e incentive quando ela estiver fazendo alguma coisa. Ela precisa entender que é importante, que tem pessoas que gostam dela, que a respeitam e querem seu bem”, completa a especialista.

Empresário de Itabuna contribui com artistas ilheenses



Sem trabalho, não tem cachê. É assim a vida de todo o artista que não possui outra fonte de renda. Agora, na pandemia do Coronavirus, a situação se agravou porque as atividades com o público desapareceram por completo.

Consciente dessa situação de calamidade, o empresário José Carlos Peixoto, da Conlar e Postos Universal, decidiu fazer a sua parte em favor da classe artística.

Recentemente, Peixoto fez a entrega de 500 quilos de alimentos arrecadados na live Ilhéus Solidária. Os donativos foram recebidos por Danilo Cabral Rabat, Secretário Municipal de Esportes, para que seja feita a devida distribuição.

Boa parte do comércio está funcionando normalmente em Ilhéus, embora em horário reduzido. Mas os setores com características de aglomeração continuam parados, o que atinge diretamente a quem vive de música, por exemplo.

Rotary de Itabuna empossa Cheila Tatiana na Casa da Amizade


A cerimônia de transmissão de cargo para a presidência e a posse da nova diretoria da Casa da Amizade – instituição vinculada ao Rotary Club de Itabuna – para a gestão 2020-21, aconteceu virtualmente na noite da última sexta-feira, 10 de julho.

Cheila entra no lugar de Marta Furtado

A esposa do presidente 2020-21 do clube, Marcus Vinícius Rodrigues, Cheila Tatiana de Almeida Santos, recebeu o cargo de Marta Furtado Oliveira, que esteve à frente da Casa da Amizade no último ano rotário. A solenidade contou com a presença do casal governador 2019-20 do Distrito 4391 Paulo Pereira e Maria Auxiliadora Costa, além de representantes do Distrito, rotarianos e membros da Casa da Amizade, que deram boas vindas à nova líder.

Composta pelas esposas e parentes de rotarianos, a Casa da Amizade é responsável por promover ações sociais e filantrópicas e colabora voluntariamente com as realizações comunitárias empreendidas por seu respectivo Rotary Club. De acordo com seu estatuto, tem por objetivo auxiliar preferencialmente as instituições que se dedicam à proteção da infância, sem faltar com a assistência a outras obras sociais.  A gestão 2019-20 desenvolveu um belo trabalho em favor dos pequenos, tendo realizado, entre outras ações, a festa do dia da criança na Creche Menor Aprendiz no bairro Fonseca e o Natal das crianças da escola do campo João Café, além de colaborado com a Quinta da Alegria, como recordou Marta Furtado em seu discurso de despedida.

“A Casa da Amizade tem sua origem em movimentos sociais e todas as nossas ações foram realizadas com carinho e dedicação com o objetivo de proporcionar às crianças da nossa comunidade uma melhor qualidade de vida” explicou Marta Furtado.

Marta desejou ainda sucesso e uma gestão abençoada à presidente e sua nova diretoria, e reconheceu o apoio recebido durante o ano rotário que se encerra. “Agradeço à minha família, à nossa diretoria que nos deu todo suporte para realizar essas ações e aos rotarianos pela parceria nos projetos e confiança depositada na Casa da amizade. Esse momento delicado da pandemia nos leva a muitas reflexões, mas que não percamos a fé que isso logo passa”, recomendou.

“Feliz e motivada por estar assumindo a Casa da Amizade no ano rotário de 2020-21”, assim a presidente empossada definiu seus sentimentos. Cheila Tatiana iniciou sua fala lembrando a capacidade da mulher de realizar múltiplas tarefas e incentivando sua equipe para que possam fazer um brilhante trabalho à frente da Casa da Amizade. A presidente destacou ainda que, com as dificuldades financeiras, sociais, políticas e econômicas impostas pela pandemia, a nobre atitude de servir se torna primordial.

“Como o nosso foco é servir, essa gestão será diferente. A crise cria oportunidades e o nosso desafio é de nos reinventar. Servir à distancia é inusitado, mas tenho certeza de que venceremos juntos. Vamos fazer tudo de um jeito novo, preservando ao outro e a nós mesmos e do distanciamento sairá colaboração, generosidade, envolvimento e o senso de trabalho em equipe. Vamos em frente!”, encerrou Cheila.