Sarau leva “Labor de Poetas” ao Shopping Jequitibá nesta terça-feira, a partir de 19 horas


Por Celina Santos

A noite promete no Shopping Jequitibá, em Itabuna, daqui a apenas algumas horas. Um sarau mostra aos amantes da literatura a declamação de textos que compõem o recém-lançado livro “Labor de Poetas”.

Organizada pelo ativista itabunense Egnaldo França, a obra reúne poemas inéditos de nomes envolvidos nas mais variadas profissões.

Professores, estudante, agentes de saúde, contador, servente de pedreiro, enfim, pessoas que aprenderam expressar um olhar sobre a vida, com suas “dores e delícias”. Parafraseando nosso magistral Caetano Veloso, outro artista da palavra.

O lançamento, dia 21 de abril, contou com a participação da banda percussiva feminina Negras Perfumadas, além dos cantores Mitter Amorim, Non Moreira…

Tanto os autores (que, até então, não se sabiam poetas) como alguns dos músicos presentes ao apresentar o livro pela primeira vez deverão dar o “ar da graça” desta terça.

Vamos combinar uma coisa? Imperdível, não é??? Então, vambora!

A seguir, fique de olho na cobertura fotográfica do evento de 21 de abril.

Tâmela França declamando poema do papai, Egnaldo França. Fotos: Celina Santos
O servente de pedreiro José Antônio (Pepino) arrasa na escrita e na declamação
Egnaldo França, com algumas de suas “Negras Perfumadas”
Miguel, contador, encontra na poesia uma catarse (na foto, com o advogado e professor Adylson Machado)
Francisco Benevides assina poemas e também a concepção visual do “Labor”
O professor Gileno Amado, marcante na trajetória de Egnaldo, incentivou e também tem poemas nesse livro
Nathália Santos, de 22 anos, escreve desde a infância
Os cantores Ize Duque e Jonnie Walker, entre os artistas que cantaram no lançamento

 

Teatro de graça e livre para todos os públicos em Ilhéus


 

Depois de mais de dois anos de paralisação das suas atividades presenciais devido a pandemia da Covid-19, o grupo Teatro Popular de Ilhéus (TPI) estreia um novo espetáculo-instalação “Sonhos – o que restou de nós depois da tempestade”, dia 13 de maio, às 21 horas na Praça São João Batista, no bairro do Pontal. O evento teatral é gratuito e livre para todos os públicos.

Esse retorno ao contato direto do grupo com o público ilheense simboliza a chegada oficial do coletivo cênico ao bairro, o qual abrigará a sua nova sede no mesmo endereço onde funcionava o tradicional Clube Social do Pontal. No espaço doado pelos sócios-remidos do clube será construído o mais novo teatro da cidade com projeto assinado pelo arquiteto Carl von Hauenschild. A estreia de “Sonhos” marca ainda o início da programação artística do TPI para o mês de maio, com atividades realizadas a partir desta data também em outros locais da comunidade pontalense.

“Sonhos” é um espetáculo de rua, itinerante, que leva o público num passeio pela história do grupo Teatro Popular de Ilhéus, suas montagens, suas estéticas e seus sonhos. A carroça do espetáculo “Uma certa Mãe Coragem” (2019) conduz o público e atores por três espaços distintos: O museu, o voo e o sonho. No museu estão recortes de uma memória em processo de construção. O voo é a representação da vivência do grupo na Tenda, seu espaço cultural entre 2013 e 2021, que caiu depois de uma forte tempestade no dia 26 de agosto de 2021. De volta à carroça, o grupo voa para o sonho de construção de seu espaço, de seu teatro – ou re-teatro, o teatro refeito. E os artistas põem mãos à obra para construir um espaço de afetos e sensibilidade, colocando na cena a memória recente da montagem de Sonho de Uma Noite de Verão, livremente inspirada na obra clássica de William Shakespeare, que foi  interrompida pela pandemia.

A montagem tem dramaturgia e direção de Romualdo Lisboa e Luís Alonso-Aude. Composições e produção musical de Pablo Lisboa. Cenários, maquinaria, figurinos e adereços de Shicó do Mamulengo. No elenco, Tânia Barbosa, Iara Colina, Elisa Reichmann, Pablo Lisboa, Takaro Vítor e Aldenor Garcia. Iluminação e efeitos de Ely Izidro. Assessoria de Comunicação de Elson Rosário. Produção executiva de Rogério Matos. 

“Sonhos – o que restou de nós depois da tempestade” foi apresentado com sucesso ao público de nove cidades baianas do sertão baiano ao longo do mês de abril de 2022. O espetáculo fez parte da segunda etapa do projeto de circulação, “Shakespeare no Sertão” contemplado pelo Edital Setorial de Teatro 2019 e tem apoio financeiro do Fundo de Cultura, Secretaria da Fazenda, Fundação Cultural do Estado da Bahia, Secretaria de Cultura e Governo do Estado da Bahia. O Teatro Popular de Ilhéus é uma instituição cultural privada, parcialmente mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia e Governo do Estado da Bahia. 

Labor de Poetas” brinda ao talento de escritores até aqui anônimos


Publicada pela Via Litteraram, obra reúne poemas inéditos; sarau no Shopping


“Labor de Poetas”: a pena mágica de pessoas que escreveram a vida inteira. Na foto com eles, o editor Agenor Gasparetto (Foto: Eric Thadeu)

Nestas ligeiras linhas eu venho te falar/

Na terra grapiúna tem poeta pra a gente babar/

Eles mostram sentimento que faz nosso coração palpitar/

Gente que nem sabia como a alma lavar/

Faz nosso sorriso abrir e nosso olho brilhar/

Como não sou escritora, convido à leitura desta obra que imenso orgulho dá.

Peço licença aos legítimos artistas da palavra, para contar sobre o livro “Labor de Poetas”, lançado em Itabuna no térreo do Espaço Cultural Josué Brandão, em Itabuna, no feriado de Tiradentes, dia 21 de abril. Você vai entender por que a notícia é atual. Aliás, eterna.

Por ironia do tal destino, a obra ora lançada grita para a literatura jamais ser enforcada, nesse turbilhão de informações em que um dia fomos mergulhados. O livro, que já se encontra na Biblioteca Municipal Plínio de Almeida, foi publicado pela Via Litterarum Editora e será tema de um sarau na terça-feira (10), às 19 horas, no Shopping Jequitibá.

Egnaldo França, organizador do livro, é ativista, percussionista, cantor, historiador, agente de saúde, entre tantos atributos. Agora, anfitrião neste tempo de lançamento. Ele também tem poemas naquelas páginas, jogando nas letras parte das tantas causas pelas quais labuta.

Como inspiração, revela que encontrou o professor Gileno Gonçalves, outro autor que derrama poesia naquelas páginas. Vamos a mais nomes e você, leitor, há de reconhecê-los ao ler o livro.

Egnaldo França posa com leitores em dia de lançamento. Entre eles, a vereadora Wilma de Oliveira (Fotos: Celina Santos)

Para todos os gostos

Vinda da região sudoeste (deste estado com tamanho de país!), a agente comunitária de saúde Zayra Lima traz delicadeza ao transferir um pouco da origem dela para a turma do sul baiano. Dono de um olhar crítico, o elegante contador Miguel Cerqueira nem sabia que era escritor e opa! Derrama talento, assim como a professora Nilzete Araújo, trazendo nos versos um verdadeiro brado contra o racismo.

Pelo caminho, a também professora Cristiane Lyra entrega, em forma de rima, um misto de fé e esperança a este mundo tão cético. Já Francisco Benevides, que laborou pela concepção visual desse lindo livro, clama por mais tolerância em um Brasil onde, la-men-ta-vel-men-te, algumas religiões acabam sendo crucificadas.

Nathália escreve desde criança, mas não imaginou estar nas páginas de um livro

Pepino” com sorriso, sim!

E Nathália Santos, do alto dos seus 22 anos? Até aqui, ela também não sonhava o quão profundas são as reflexões escondidas nos seus versos. É o mesmo com o trabalhador rural e servente de pedreiro José Antônio, conhecido como “Pepino” no bairro Maria Pinheiro.

Ele tem como nome artístico HANISTAINE HUSVELT HATSON. Chique, não é? Dono de uma interpretação que nos faz arregalar os olhos, esbanja firmeza ao mastigar cada palavra pronunciada. Vê-lo em cena nos deixa longe de qualquer “pepino” (com o perdão da brincadeirinha infame, viu?).

Curtis MC esbanja crítica por onde escreve

E o Curtis MC garante versos nada curtos, porque o rap traz um olhar profundo sobre as mazelas nossas de todo dia, não é? Os poemas dele também vêm cheios de crítica e cutucam as certezas que imaginávamos ter.

Magia da leitura move trajetórias na Academia de Letras de Itabuna


Por Celina Santos

Em tempos de distanciamento físico, a tela preta do aplicativo zoom serviu como tapete vermelho para a entrada de seis novos membros no rol da Alita (Academia de Letras de Itabuna). Unido pela celebração à literatura, o grupo soma ao conjunto de homens e mulheres a comemorar a primeira década da entidade.

Desde a última segunda-feira (19), foram integrados ao quadro alitano os reitores Alessandro Fernandes de Santana, da UESC (Universidade Estadual de Santa Cruz) e Joana Angélica Guimarães da Luz, da UFSB (Universidade Federal do Sul da Bahia); o médico neurologista Sílvio Porto de Oliveira; professores Charles Nascimento Sá; Reheniglei Rehem e Wilson Caitano de Jesus Filho.

O tema pandemia, causador deste afastamento temporário em favor da saúde, foi mencionado no discurso do juiz Marcos Bandeira, um dos fundadores da Alita. Na recepção aos hoje confrades e confreiras, ele trouxe o conceito de Aldeia Global, de Marshall McLuhan – assim contextualizando a extensão das mudanças impostas ao mundo pelo coronavírus. Apesar dos dissabores enfrentados, considera ser esta uma oportunidade de reflexão para todos serem melhores.

Para mostrar ao mundo

Também fundador da Academia, o escritor Cyro de Mattos lembrou passos da trajetória de uma década, com lançamentos de livros e da Revista Guriatã, que chegou a três edições com conteúdo produzido por integrantes da entidade – artigos, crônicas, contos, poesias, entre outros gêneros.

O professor Ruy Póvoas, outro nome desde o início da instituição, homenageou a ex-presidente, juíza Sônia Carvalho de Almeida Maron, recordando ações marcantes. Entre elas, incursões em escolas da rede municipal e uma reunião no terreiro de candomblé Ilê Axé Ijexá Orixá Olufon.

A presidente da Alita, Silmara Oliveira, é uma entusiasta para as atividades seguirem, inclusive tendo na tecnologia uma aliada; frisa também a relevância de a entidade enaltecer nossos escritores e o valoroso papel da literatura para mostrar ao mundo o sul da Bahia.

“Reunidos, estaremos em condições de trabalhar em prol dessa região, tão agastada por tantas faltas. Enquanto alitanos, cada um em seus postos de trabalho e condição social, é pensar no modo a conduzir nosso grão de areia para esse construto por meio da literatura”, conclamou.

“Faróis para sociedade”

As palavras de cada novo membro da Alita trouxeram revelações do que lhes despertou paixão pela magia da literatura. O professor doutor Alessandro Santana, que tem como patrono o escritor João da Silva Campos, recordou o quanto lhe encantavam as cartas que a mãe lia e escrevia a pedido da parteira “Mãe Preta” em Arataca, cidade onde ele foi criado.

Passeou por nomes que abrilhantam a literatura regional, como Cyro de Mattos e Ruy Póvoas, anotando sobre o papel das academias de letras e das universidades neste tempo de tantas trevas. “Têm obrigação de serem faróis para a sociedade, trazendo conhecimento científico num momento de negacionismo tão forte, mas também trazendo a arte. (…) Neste momento de tanto desespero estamos aqui para trazer coisas positivas, mostrando luz, mostrando que existe expectativa de um futuro melhor e a arte serve pra isso”, sublinhou.

A professora doutora Joana Angélica Guimarães da Luz, trazendo como patrono o escritor Machado de Assis, compartilhou a honraria da posse com os irmãos Jorge, Vera, Isabel, Ana e Nice, para agradecer pela cumplicidade e homenagear a memória dos pais, Juraci e Eunice. “Os grandes responsáveis pela nossa trajetória”.

Nascida em Itajuípe, ela morou em Itabuna, Salvador e abraçou a literatura como paixão, por incentivo dos pais. “Na leitura fugia do barulho de uma casa com quatro cômodos e seis crianças. Quando entrava no mundo dos livros, não ouvia nada, mergulhada no mundo mágico que me era trazido pelas palavras”, recordou a educadora, que retornou a Itabuna após 40 anos, trazendo consigo a Universidade Federal do Sul da Bahia (UFSB).

Logo após o discurso, informou que será disponibilizada uma sala nas novas instalações da reitoria da UFSB, no antigo Fórum Ruy Barbosa, no centro de Itabuna. “Estamos finalizando nossa reforma, para que a Alita faça dali a sua casa”, anunciou.

“Mundo multicolorido”

Ocupando a vaga da saudosa professora Maria Delile de Oliveira, o médico Sílvio Porto tem como patrono o escritor Firmino Rocha, “orgulho desse chão grapiúna”. Citando a experiência profissional e acadêmica no Brasil e exterior, destacou a “possibilidade de contribuir, compartilhar muitas histórias e culturas de um tempo, do povo da nossa terra”.

O professor Wilson Caitano, cujo patrono é o escritor, publicitário, graduado em Direito e capoeirista Augusto Mário Ferreira, notabilizou-se pelas mensagens disseminadas ao escrever obras voltadas para a literatura infantil. Ele contou sobre as influências da infância, tanto pelos livros de Monteiro Lobato como pela poesia de Castro Alves.

Como legítimo herdeiro da oralidade, o docente empossado também reconhece frutos das histórias a ele contadas nas noites de lua cheia no município de Cipó, no nordeste da Bahia. “O escritor traz em sua bagagem uma memória afetiva, que conecta o presente e o passado”, definiu.

Já o professor doutor Charles Nascimento, tendo como patrono o poeta Nathan Coutinho, relatou o quão paralelos são para ele o apreço à história e à literatura. Ainda na adolescência, num distrito de Camacan, descobriu a companhia “do mundo multicolorido das páginas de um livro”.

Um dos nomes históricos no curso de Letras da Uesc, a professora doutora Reheniglei Rehen traz como patrono na Alita o escritor Jorge Medauar. Fez referências filosóficas à obra dele e, a exemplo dos anteriores, encontrou elementos de pertencimento a motivar a escrita desse autor.

A solenidade foi prestigiada pelo secretário estadual de Educação, professor doutor Jerônimo Rodrigues; secretária estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação e ex-reitora da Uesc, igualmente doutora Adélia Pinheiro, além dos ex-reitores Aurélio Ruiz de Macedo, Antônio Joaquim Bastos e Renée Albagli Nogueira; o presidente da Academia de Letras da Bahia, Ordep Serra, junto a outras autoridades.

TPI continua apresentando “Teodorico Majestade” ao vivo em agosto


Em cartaz desde 24 de julho, a nova versão online de um dos principais espetáculos do Teatro Popular de Ilhéus tem feito sucesso. Chegando em sua terceira semana de apresentações, o grupo mantém o ritual de desfechar a noite com um bate-papo virtual entre a equipe, o público e um convidado especial.

No dia 07 de agosto (sexta-feira), o convidado da noite é o ator e diretor Gordo Melo, que além de ter recebido indicações e prêmios em várias montagens das quais participou e dirigiu, também é co-fundador do grupo Vilavox, de Salvador, e tem experiência em gestão pública na área teatral. É idealizador do Festival Maré de Março, coordenador do projeto de formação de jovens atores “Aprendiz em Cena” e co-gestor da Casa Preta Espaço de Cultura. No bate-papo com o TPI, Gordo vai falar sobre Teatro de grupo na Bahia e as trocas do Vilavox com o Teatro Popular de Ilhéus, e sobre como o grupo residente do espaço cultural Casa Preta está se virando durante a pandemia.

No sábado (08), o grupo recebe Maria do Socorro, fundadora e diretora do Instituto Nossa Ilhéus. Ela é empreendedora social reconhecida como liderança comprometida com soluções para a crise ambiental atual e as mudanças climáticas pela rede internacional The Climate Reality Project e compõe o Conselho Consultivo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (ConSOC BID). No Território Litoral Sul da Bahia, compõe o SUL DA BAHIA GLOBAL, que tem como missão formular, estimular e fomentar o programa de desenvolvimento integrado da Costa do Cacau. Socorro conversará sobre a importância de Teodorico para seu mergulho nas lutas por políticas públicas e como o Instituto tem trabalhado durante a pandemia.

“Teodorico Majestade” continuará em cartaz durante todo o mês de agosto, às sextas e sábados, com transmissões sempre às 21 horas. Como a transmissão ocorre via internet, basta comprar um único ingresso para que toda a família possa assistir junta. Os ingressos são limitados, e estão à venda na plataforma Sympla por 10 e 20 reais, onde também será feita a transmissão. O público pode ainda ajudar o grupo com colaborações voluntárias de 50 e 100 reais, e dessa forma contribuir para a manutenção da Tenda TPI durante a pandemia. Além disso, todos os espetáculos do TPI têm uma porcentagem reservada gratuitamente para estudantes de escola pública. Para realizar a compra dos ingressos, basta acessar o site www.sympla.com.br/teatropopulardeilheus.

O espetáculo “Teodorico Majestade” está em cartaz desde 2006, montado como um posicionamento do Teatro Popular de Ilhéus diante dos escândalos ocorridos na cidade, e sua repercussão contribuiu para a mobilização da população ilheense contra o então prefeito Valderico Reis, tendo histórica importância na cassação de seu mandato em 2007. O espetáculo é uma sátira política em formato de cordel sobre um prefeito prestes a perder seu mandato por conta de denúncias que vieram a público, construindo um protesto bem-humorado que mostra o lado ridículo dos bastidores da política corrupta e que, ao mesmo tempo, conclama o povo a exercer seus direitos de cidadão. Na obra, Teodorico, Prefeito de Ilha Bela, está prestes a perder seu mandato depois que uma onda de denúncias de corrupção tomou conta dos noticiários. Até um grupo de teatro resolveu fazer um espetáculo sobre ele. Agora, está acuado, pressionado a assinar seu pedido de renúncia.

Fundado em 1995 por Équio Reis (in memorian), o grupo já produziu dezenas de espetáculos, tendo circulado em diversas cidades do Brasil, chegando também a se apresentar na Europa. A partir de pesquisas e criações, o TPI interfere positivamente no município de Ilhéus e região, promovendo debates, encontros e estudos que contribuem para a formação cultural de seu público. A longevidade do Teatro Popular de Ilhéus é um indicador de um projeto de empreendedorismo cultural exitoso que tem um planejamento à longo prazo bastante sólido e em constante avaliação. Em 2020 completa 25 anos de existência, cujas comemorações contarão com a publicação do livro “A vida é uma rima”, um ensaio biográfico do Teatro Popular de Ilhéus que está sendo escrito pelo crítico teatral e jornalista Valmir Santos. Além disso, antes da pandemia o grupo vinha se preparando para estrear o espetáculo “Sonho de uma noite de verão”, cuja montagem será retomada quando a programação da Tenda for normalizada.

O Teatro Popular de Ilhéus está localizado na Avenida Soares Lopes, em Ilhéus, e é uma instituição cultural independente, atualmente mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.

 

História em primeira pessoa


Mariana Benedito


Quando a gente lê, ouve, escreve ou conta uma história, a primeira coisa que ela precisa ter é um narrador. O sujeito que está contando, que está observando, que está passando sua visão. Aquele que descreve como as coisas acontecem, como as cenas se constroem, as ações dos personagens e suas consequências. Identificar quem faz a narrativa é primordial em uma história. E pode mudar completamente o rumo dela, meu amado leitor.

Uma história contada em terceira pessoa tem um efeito; ela descreve o cenário, os personagens, vê as cenas de fora, temos a sensação de sermos expectadores. Uma história contada em primeira pessoa é completamente diferente. O personagem se coloca no enredo, a gente consegue acompanhar seus pensamentos, emoções, quais passos ele pretende dar e a forma como ele lida com as consequências deles. Numa história contada em primeira pessoa, o personagem assume suas ações, assume a responsabilidade.
E onde eu quero chegar com tudo isso, você pode está aí se perguntando, não é mesmo? Pois bem, meu amado ser que me lê aí do outro lado, a sua história está sendo contada como? Você tem contado a sua história, a sua vida em primeira ou em terceira pessoa?

Contar a nossa história em terceira pessoa é colocar nas circunstâncias, do mundo, na vida, nos outros as razões pelas quais você não caminhou aos passos que gostaria. É ir caminhando sem se saber onde quer chegar, o que quer alcançar, o que é essencial e o que é um propósito para você. É responsabilizar Deus e o mundo pelos seus infortúnios e não sair do lugar. “Sim, Mari, mas eu perdi meus pais, minha casa, meu emprego e não tenho mais ninguém nessa vida!” É realmente uma situação das mais desesperadoras, mas é o que existe agora. Esta é a sua realidade a partir de agora. O que você fará com ela?

Contar a sua história em primeira pessoa é assumir a tarefa de fazer o melhor que puder com o que se tem agora, com o que já nos foi dado, com as ferramentas que já foram adquiridas. É assumir a responsabilidade de cuidar da própria vida, entendendo que a dureza faz parte do jogo. As dificuldades, dores e sofrimentos sempre vão existir e, volta e meia, irão nos visitar; mas o que faremos depois? Óbvio que um momento de pausa, de medo, de respiro, de hesitação é necessário também neste processo. Mas e depois? É a atitude que a gente tem depois que dita a narrativa da nossa vida, meu amado.

Viver é um risco constante. E amadurecer é pagar o preço disso. Narrar a nossa história em primeira pessoa é assumir o controle do barco – naquilo que nos cabe – e parar com as acusações sob efeito kamikaze, atirando para todos os lados as culpas dos porquês sua vida não é como você gostaria que fosse. Repara que contrassenso! Você coloca na mão de outra pessoa a responsabilidade pela sua vida. A vida que é só sua!

Assumir a sua vida como sua e você como personagem principal dela, ator ativo e não só expectador passivo, é entender que a gente não controla ou dita o que vai acontecer com a gente; mas o que fazer com tudo isso, a postura e atitude que teremos, isso a gente pode ditar. E é aí que mora toda a diferença.

Quando a gente escolhe contar a nossa história em primeira pessoa – sim, é uma escolha – assumimos as possibilidades em nossa vida. Escolhemos ser leais, escolhemos ser bons profissionais, escolhemos ter caráter, escolhemos ter integridade, escolhemos ter relações mais saudáveis. Escolhemos o caminho que vamos percorrer e damos os passos necessários. Um por vez.
Mas é preciso fazer uma escolha, meu querido leitor.
Como você está contando sua história?


Mariana Benedito – Psicanalista em formação; MBA Executivo em Negócios; Pós-Graduada em Administração Mercadológica; Consultora de Projetos da AM3–Consultoria e Assessoria.
E-mail: [email protected]
Instagram: @maribenedito

Amanda Maron lança em Copenhage “Um poema pra cada dor”


Amanda é filha do jornalista Maurício Maron, um dos mais conceituados profissionais de comunicação do Sul da Bahia.

“Um poema pra cada dor” é o livro que será lançado na Dinamarca, neste final de semana, pela comunicóloga Amanda Maron. Ilheense de nascimento, formada em Comunicação Social pela Universidade Estadual de Santa Cruz (UESC) e com MBA em Marketing Digital, Amanda mora há quatro anos na Dinamarca, onde faz mestrado em Cognição e Comunicação, na Universidade de Copenhague.

A publicação é independente e pode ser adquirida pelo valor promocional de R$ 47,90 (frete incluído) até domingo, através de pedidos pelo email [email protected]. Em uma live que acontecerá no domingo (21), às 14 horas (horário de Brasília), a autora falará sobre a obra, com apresentação de poemas, todos musicados pela artista baiana Lígia Callaz.

A transmissão ocorrerá pelo instagram da autora. O prefácio do livro é assinado pelo professor Luiz Felipe Souza Coelho, Doutor em Física, professor do IF-URFJ, poeta e historiador. O professor escreve: “O fato é que açúcar dos sonhos corre nas veias da poeta, a menina que cria universos onde o infinito brilha no olhar. (Brilhará também no olhar do outro, do amor que talvez tenha sido em parte criado por ela mesma? Será relevante para um Deus saber se as criaturas do Mundo que criou o amam? Quem sabe?)”.

“Escrevi meu primeiro poema aos 13 anos. Nessa fase difícil, em que eu descobria o amor e suas dores, minha poesia era a minha forma de me curar. Esse livro é uma coletânea de dores e amores e amantes. E com minhas rimas eu divido com o público um pouco de mim”, destaca a autora.

“Desde pequena, desde aqueles dias em que eu passava por fachadas dentro do carro e tentava ler todas elas em voz alta enquanto descobria o sentido das sílabas, desde os dias em que, nervosa para entender, tentava ler os artigos do meu pai no jornal, eu sonhava em palavras”, completa.

Paralelamente ao lançamento da obra, a comunicóloga também está apresentando o site da sua nova empresa de escrita criativa (www.amandamaron.com) na Dinamarca, com tradução em português e inglês. “Escrever é a minha paixão e eu faço disso o meu trabalho e o meu hobby. Criar essa empresa é a realização de finalmente trabalhar com aquilo que eu amo e não sentir que estou trabalhando”, define o novo projeto.

Com mais de cinco anos de experiência em escrita criativa, edição de livros, direito autoral, e mídias sociais, Amanda também é autora e vende títulos neste site. Em ‘Serviços’, você vai encontrar uma seleção de serviços de comunicação, revisão de textos, edição e criação de texto, assim como voiceover, narração, storytelling e outros

Teatro Popular de Ilhéus divulga programação de junho no Youtube


Cena de Romeu e Julieta, atração também online do Teatro Popular de Ilhéus

 Para manter uma programação cultural para o seu público durante o período de isolamento social causado pela pandemia do novo coronavírus, o Teatro Popular de Ilhéus criou o projeto TPIFLIX, com conteúdo semanal em seu canal no YouTube, convidando a todos a assistirem teatro sem sair de casa.

A página, que já possuía alguns vídeos de espetáculos na íntegra, documentários, trailers, entrevistas e cobertura de eventos, agora está disponibilizando materiais inéditos, produzidos pelo grupo de forma remota. E a programação do mês de junho possui 4 quadros periódicos que poderão ser conferidos pelo público através do link youtube.com/teatropopulardeilheus.

Nas três primeiras quintas-feiras do mês, ontem (04), 11 e 18, vai ao ar a peça “Romeu e Julieta”, uma versão interpretada por Vânia Nogueira e Gilberto Morais. Com três episódios, a obra conta a história de Romeu Montéquio, dedicado agrônomo por formação, e Julieta Capuleto, sábia astrônoma de profissão. Juntos, eles enfrentam a ira das desavenças de seus pais coronéis, inimigos jurados. A peça romântica, de classificação livre, é uma homenagem ao mês dos namorados.

Já às sextas-feiras continua acontecendo o quadro infantil “Recontando Histórias Populares”, que vem sendo postado desde o mês de abril. Interpretadas por Tânia Barbosa e com trilha sonora de Pablo Lisboa, as fábulas ganham versões com recursos especiais de filtros do instagram para dar vida aos personagens. Os vídeos têm classificação livre e traz importantes lições de moral.

 Vídeo, leitura e música

Quinzenalmente, até 20 de junho, o TPIFLIX posta vídeos e/ou músicas gravadas em 2013 durante o projeto “Sábado Sim” com bandas e artistas da nossa região. O projeto, que acontecia na Casa dos Artistas, antiga sede do Teatro Popular de Ilhéus, teve o intuito de valorizar e movimentar o cenário do rock ilheense e itabunense, e foi registrado pelo Núcleo de Audiovisual do TPI.

Por fim, aos domingos, Romualdo Lisboa continua montando o quadro “Letras de Nhoesembé: leituras de autores vivos de Ilhéus”. Com curadoria de Fabrício Brandão, editor da revista literária “Diversos Afins”, trata-se de uma tentativa de dar voz a uma geração de contistas, poetas e poetisas, romancistas, dramaturgos, escritores de diversos gêneros, que estão vivos, atuantes, escrevendo hoje, nesse contexto terrível de pandemia. Ilhéus possui uma cena muito produtiva no campo das letras.

A Academia de Letras de Ilhéus é um espaço de grandes escritores do passado, mas essencialmente de escritores do presente. Uma geração de literatos que para além de dialogar com os legados de Adonias Filho, Jorge Amado, Telmo Padilha, Hélio Pólvora, dentre tantos, constroem um novo caminho, um novo universo da literatura Grapiúna.

Venda antecipada

Além de seu conteúdo online, como forma de tentar custear a continuidade de sua manutenção e, especialmente, continuar pagando os salários sua equipe, o Teatro Popular de Ilhéus faz campanha para arrecadar recursos com venda antecipada de ingressos.

Está à venda um passaporte que dá direito a oito espetáculos que ocorrerão na Tenda quando as atividades forem restabelecidas. O valor do passaporte é de 80 reais, e é válido por um ano a partir da reabertura da programação para quaisquer eventos que venham a acontecer na Tenda durante esse prazo.

Para adquirir o passaporte, basta fazer um depósito identificado na conta do TPI e enviar o comprovante para o e-mail [email protected] ou para o whatsapp da instituição, no número (73) 98822-0057. O depósito deverá ser feito no Banco do Brasil, agência 3192-5, conta corrente 15598-5.

Para transferência entre bancos, a identificação é Teatro Popular de Ilhéus, CNPJ 05.348.041/0001-97. Ao enviar o comprovante, o comprador receberá um cartão digital com um QR Code que identifica a compra e garante a retirada dos ingressos quando as atividades da Tenda retornarem. Quem desejar comprar o passaporte para ajudar o grupo, mas não puder ir aos eventos, poderá optar por ter seus ingressos destinados a estudantes de escolas públicas.

Histórico de prêmios

Fundado em 1995 por Équio Reis (in memoriam), o grupo já produziu dezenas de espetáculos, tendo circulado em diversas cidades do Brasil, chegando também a se apresentar na Europa.

Em 2020 completa 25 anos de existência, cujas comemorações contarão com a publicação do livro “A vida é uma rima”, um ensaio biográfico do Teatro Popular de Ilhéus que está sendo escrito pelo crítico teatral e jornalista Valmir Santos. Além disso, antes da quarentena o grupo vinha se preparando para estrear o espetáculo “Sonho de uma noite de verão: ópera brega rock para acordar do pesadelo”, cuja estreia ainda não tem data.

O Teatro Popular de Ilhéus está localizado na avenida Soares Lopes, em Ilhéus, e é uma instituição cultural independente, atualmente mantida pelo programa de Ações Continuadas de Instituições Culturais – uma iniciativa da Secretaria de Cultura da Bahia com recursos do Fundo de Cultura do Estado da Bahia, mecanismo que custeia, total ou parcialmente, projetos estritamente culturais de iniciativa de pessoas físicas ou jurídicas de direito público ou privado. Os projetos financiados pelo Fundo de Cultura são, preferencialmente, aqueles que apesar da importância do seu significado, sejam de baixo apelo mercadológico, o que dificulta a obtenção de patrocínio junto à iniciativa privada.

Cineasta itabunense pronto para brilhar nos Estados Unidos


Giovanni Costa Massa concluiu curso nos Estados Unidos e já está no mercado de trabalho

Texto: Celina Santos

Com diploma da Orange Coast College, na Califórnia, ou diante da Calçada da Fama, em Hollywood, o itabunense Giovanni Costa Massa exibe duas missões: contar histórias por meio da “telona” e a defesa da natureza do sul baiano. O profissional, de 26 anos, contou ao Diário Bahia sobre caminhos que pretende abraçar.

Giovanni é originalmente bacharel em Cinema e Audiovisual, pela Universidade Federal de Pelotas-RS; atualmente trabalha como editor de vídeos e colorista, nos Estados Unidos. Em 2019, ele fez um estágio em Hollywood num lote de gravações para canais de TV como a CW (que faz a série “Flash”) e onde foi gravado o filme que concorreu ao Oscar “A Rede Social”, e a série de TV “True Blood”. “Estar lá naquele espaço por alguns meses foi uma experiência incrível!”, descreve, emocionado.

Junto à “Calçada da Fama”, itabunense descreve período em Hollywood como “uma experiência incrível”

Dirigir para contribuir

O rapaz conta que já atuou em muitas áreas do mercado, desde a produção de vídeo e áudio à edição. Mesmo reconhecendo que já pensou em atuar e admitir que “leva jeito”, confessa que estar nos bastidores lhe desperta mais encanto. “Acredito que meu lugar e a minha paixão está mesmo atrás das telas, contando as histórias que precisam ser contadas, escrevendo e dirigindo para o cinema”, revela.

Além disso, conta o porquê da preferência dele no universo tão vasto do audiovisual. “Eu amo a narrativa visual e especialmente de que formas criativas podemos trabalhar com ela; espero ainda inspirar muitas pessoas com as histórias que tenho pra contar. Pois acredito que do mesmo jeito que diz o ditado ‘a arte imita a vida’, a arte das músicas, pinturas e filmes que assistimos também nos inspira a viver melhor e mais felizes”, filosofa.

Da imensidão que vem conhecendo – desde a teoria até a prática –, Giovanni acredita estar na direção e na narrativa visual o caminho para melhor contribuir com a sociedade. “Elaborando storyboards e criando uma densa simbologia visual para os filmes”, planeja, confessando ainda ter a natureza como uma segunda paixão. “As praias e Mata Atlântica da minha amada Bahia… Meu objetivo de vida seria poder proteger essas regiões ameaçadas do mundo e conscientizar as pessoas a amar e proteger a natureza da mesma forma”, completa.

Ao cinema brasileiro

Também perguntamos a Giovanni Massa que olhar ele tem sobre o cinema brasileiro, após a experiência em Hollywood, berço dessa arte no mundo. E ele chamou a atenção para o nível do que é produzido por aqui, inclusive frente às limitações financeiras enfrentadas.

“Eu acho que o cinema brasileiro tem uma qualidade artística e narrativa incrível, mesmo levando em conta a quantidade de produções americanas, que é tão maior. Ainda assim, conseguimos lançar filmes como Bacurau (2019) e Democracia em Vertigem (2019), que ganham reconhecimento mundial em Cannes [festival de cinema na França] e no Oscar. Se você pôr em perspectiva a quantidade de filmes produzidos no resto do mundo, essas são façanhas realmente fantásticas para uma indústria tão pequena quanto a brasileira”, avalia.

Ele pondera, também, que infelizmente a falta de apoio à indústria nacional nos últimos anos vai afetar muito a produção de cultura. “Mas esse é um país incrível com um povo extremamente criativo, portanto, em breve o Brasil se recuperará, tenho a certeza!”, afirma, esperançoso.

Deixa, ao final, uma mensagem que bem pode servir de inspiração à geração dele – e às demais também, é claro. “A educação foi essencial para mim; então, torço por um Brasil com escola acessível a todos e para um futuro novamente alinhado ao desenvolvimento sustentável e consciente!”.

E que cinema! E que tecnologia! Vá ao shopping de Itabuna conferir



O sul do Estado da Bahia conta com uma nova opção de lazer de qualidade na cidade de Itabuna. A Cinemark inaugurou no dia 19 de dezembro seu mais novo complexo de cinema, o único da região, no Shopping Jequitibá, reunindo conforto e o que há de mais avançado na tecnologia de exibição.

São 745 lugares distribuídos em quatro salas, que exibem desde lançamentos e grandes sucessos do cinema até conteúdos especiais oferecidos pela Rede. Para acompanhar as sessões, o público encontra no snack bar as tradicionais e saborosas pipocas da Rede, que podem ser salgadas, doces e de sabores especiais, com coberturas como manteiga de churrasco e pipoca ‘n’ cream. No cardápio, o cliente pode também escolher entre pão de queijo, cachorro quente e os salgadinhos chicken popcorn – receita de frango crocante -, além de balas, chocolates e refrigerantes. Uma seleção de combos, que reúnem diversas comidinhas e bebidas, pode ser encontrada com preços especiais.

No saguão do complexo estão distribuídos quatro totens de autoatendimento, onde os usuários podem consultar a programação completa e adquirir ingressos e produtos com apenas alguns toques na tela. As compras também podem ser feitas pelo APP Cinemark e pelo site da Rede.

Além disso, as bilheterias contam com leitores de QR Code, para pagamento via aplicativo Mercado Pago. A parceria entre a Rede e a fintech dá R$ 10 de desconto em qualquer compra, ingressos ou itens da bomboniere, a partir de R$ 20 – benefício que pode ser aproveitado até duas vezes ao mês. Clientes Vivo Valoriza e Bradesco também têm o benefício da meia-entrada na compra de ingressos.

Ao inaugurar seu 88º complexo em Itabuna, a Cinemark se aproxima cada vez mais do público brasileiro e traz para a população da cidade e da região o melhor da sétima arte.