Luciano Szafir e Pitty Webo no Teatro Municipal de Ilhéus


Os atores Luciano Szafir e Pitty Webo estarão em Ilhéus, nos próximos dias 21 e 22, para a apresentação da peça “Mulheres Solteiras Procuram”, no Teatro Municipal. Os ingressos já estão disponíveis no site www.compreingressos.com e cliente Itaúcard comprando pelo site tem 50%de desconto.

O que acontece quando mulheres solteiras resolvem contar todas as suas aventuras? “Mulheres Solteiras Procuram” traz para o palco o cotidiano engraçadíssimo de mulheres que se metem em situações hilárias, representando o panorama da mulher atual, quando é possível entender o pensamento feminino de maneira mais humana.

Esse humanismo se reflete no texto de forma brilhante, recheado de muita comédia. A peça é dividida em 8 esquetes cômicas, nas quais os atores interpretam mais de 19 personagens, contando o que há de mais engraçado na vida da mulher solteira em busca da felicidade.

Nossas personagens parecem ter saído da vida real: Aline conhece um homem que parece ser maravilhoso mas… É casado! Marisa descobre que seu ex-marido virou gay (talvez sempre tenha sido…). Pior para Sara, cujo ex-namorado sumiu e até hoje não apareceu!

A autora apresenta um espetáculo teatral com linguagem contemporânea e direção inspirada nos conceitos cênicos de Peter Brook, Grotowski, Brecht e Domingos Oliveira. Com uma apresentação de corpo e voz, os atores utilizam apenas seis cubos e três portais para arrancar gargalhadas do público. O espetáculo virou livro e é recorde de vendas.

 

 

Ilhéus amplia loja de souvenir da Casa de Cultura Jorge Amado


 

A secretaria municipal de Cultura (Secult), ampliou a loja de souvenir da Casa de Cultura Jorge Amado, mantida pela Prefeitura. O espaço cultural fica aberto à visitação de segunda-feira a sexta-feira, das 9 às 12 e das 14 às 18 horas, e aos sábados, das 9 às 13 horas. Na casa onde o escritor passou parte da infância, situada no centro da cidade, o visitante pode adquirir diversas imagens com réplicas do Bataclan, Gabriela, Jorge Amado, capela de Santana, cacau, dentre outros.

O coordenador da Casa de Cultura Jorge Amado, Paulo Rosário, disse que uma das propostas da atual gestão é oferecer aos turistas lembranças relacionadas ao espaço e ao escritor. “No período da alta estação e início da temporada de navios transatlânticos iremos implantar na casa de cultura um funcionamento diferenciado, mais personalizado e rico em informações”, explica Rosário.

Paulo Rosário destaca que haverá apresentações com artistas locais que vão representar personagens de Jorge Amado durante as visitas e interagir com os turistas. E os nossos guias (estagiários) são bilíngues, o que facilita e muito a comunicação com turistas estrangeiros”.

Acervo – Durante o passeio pela casa, os visitantes são guiados e conhecem aspectos da vida e obra do escritor. Hoje, a Casa de Cultura Jorge Amado mantém em exposição roupas, fotos, histórico dos pais e da infância, além de vídeos sobre o escritor, como o filme sobre os 50 anos do romance “Gabriela, Cravo e Canela”.

Neste final de semana foi concluída a restauração da estátua do escritor, implantada logo na entrada da Casa. A obra, de autoria do artista plástico Tatti Moreno, foi restaurada pelo artista ilheense Beto Shaolin. A peça se encontrava desgastada pelo tempo. Além da recuperação de partes da sua estrutura, a estátua ganhou uma nova pintura dourada. A peça é uma das mais fotografadas por quem visita a Casa de Jorge Amado, em Ilhéus.

 

 

Estátua do escritor Jorge Amado recebe revitalização da pintura em Ilhéus


Um dos monumentos mais fotografados de Ilhéus, a estátua do escritor baiano Jorge Amado, está passando por uma revitalização na sua pintura. Iniciou hoje (27), pelas mãos do artista plástico ilheense Beto Shaolin, um trabalho cuidadoso de remoção dos fungos e detritos de sujeira que estão impregnados na estátua, devido ao desgaste da ação do tempo. O serviço está sendo realizado em parceria com o restaurante Vesúvio que desde ontem (26), abriu as portas para o público.

“Jorge Amado é nosso escritor maior. Foi por ele e com ele que Ilhéus foi apresentada ao mundo. Tudo que fizermos ainda é pouco para fortalecer sua obra”, reforça o gestor cultural, Pawlo Cidade.

A obra-prima material está localizada em frete a Casa de Cultura que leva seu nome e, homenageia o escritor que está usando um chapéu, gravata e bengala, retratando uma das últimas imagens de Jorge ainda em vida.

Academia de Letras de Itabuna inicia projeto Roda de Leitura


 

Desenvolver o gosto pela leitura, formar leitores e divulgar a literatura do sul da Bahia, bem como a nacional. É com este objetivo que a Academia de Letras de Itabuna (Alita) inicia nesta sexta-feira (29) o projeto Roda de Leitura.

A iniciativa prevê a ida mensal de acadêmicos da instituição a escolas públicas e privadas da cidade, reunindo alunos em uma roda, uma ciranda, guiada pela magia da leitura. Esta primeira incursão será na Escola Pio XII, no bairro Conceição, nos turnos da manhã e da tarde.

Para a presidente da Academia, Silmara Oliveira, “é com a expectativa da magia, do encantamento e da graça contidas nos livros que a Academia de Letras de Itabuna – ALITA realiza sua primeira Roda de Leitura”

Talentos da música baiana recebem o Prêmio Caymmi


O Prêmio Caymmi de Música foi entregue nesta sexta-feira (18), na sala principal do Teatro Castro Alves (TCA), em Salvador, aos destaques da produção musical baiana em 2017. Os concorrentes foram selecionados durante o Festival Caymmi, realizado entre os meses de abril e maio, com patrocínio do Governo do Estado, por meio do Programa Estadual de Incentivo ao Patrocínio Cultural (Fazcultura).

“O Prêmio Caymmi retorna com a força deste festival. Hoje é um grande dia, o dia da culminância, em que a etapa que precedeu possibilitou a circulação de diversos talentos, em vários espaços públicos de Salvador. Retornou ao Passeio Público onde, há 50 anos, eclodiu o Tropicalismo e que, naquele momento, significava uma grande revolução e renovação no cenário cultural”, destacou o superintendente de Promoção Cultural da Secretaria de Cultura do Estado (Secult), Alexandre Simões.

A premiação recebeu cerca de 500 inscrições. No total, 110 artistas da capital e do interior foram selecionados pela comissão julgadora para concorrer ao prêmio. “A gente tem uma grande diferença em relação a outros estados brasileiros. A cultura da Bahia está bem apesar das dificuldades, mas a gente está vivendo porque a gente tem o apoio também do Fazcultura, que é fundamental para que projetos como o Prêmio Caymmi aconteçam”, afirmou a diretora-geral do prêmio, Elaine Hazin.

A cerimônia de entrega dos troféus foi animada pelo Bandão Caymmi, que prestou uma homenagem à Tropicália. O cantor Saulo e a cantora Alice Caymmi, neta de Dourival Caymmi, também fizeram uma participação especial, junto com artistas que participaram do festival.

Destaques
Foram entregues prêmios nas categorias show, videoclipe, música instrumental e música com letra. Entre os 22 premiados, Giovani Cidreira ganhou como melhor intérprete vocal masculino e Flávia Wenceslau como melhor intérprete vocal feminino. Na categoria show, a cantora Luedji Luna venceu como revelação.
O melhor videoclipe foi ‘Bonecas Pretas’, de Larissa Luz; o melhor show ficou com a banda Pirombeira; a melhor música com letra foi ‘Instante para Lembrar’, também da Pirombeira; e a melhor música instrumental foi ‘Amálgama’, de Luã de Almeida.
Veja a lista completa dos vencedores:
Música com Letra: Instante pra se lembrar – Ian Cardoso / Pirombeira
Música Instrumental: Amálgama / Luã Almeida
Melhor Intérprete Feminino: Flavia Wenceslau / Por Uma Folha
Melhor Intérprete Masculino: Giovani Cidreira / Um Capoeira
Melhor Intérprete Instrumental: Raoni Maciel / Violão / Cadê João? e Giro do Sol
Melhor Arranjo: Ubiratan Marques / Branco / Orquestra Afrosinfônica
Melhor Produção Musical: André Luis Magalhães Costa Pinto / Maya / Kromosons Brazil

Show: Pirombeira
Melhor Intérprete Feminino: Livia Nery
Melhor Intérprete Masculino: Achiles
Melhor Instrumentista: Flaviano Gallo / Bateria / Santini Trio
Melhor Banda: Santini & Trio
Melhor Direção Artística: Jackson Costa / Show Celo Costa
Melhor Direção Musical: Ubiratan Marques / Show Nara Couto
Destaque Técnico: Fred Alvin / Iluminação
Melhor Produção: Humberto Vale Curujito / Skanibais
Revelação: Luedji Luna

Videoclipe: Bonecas Pretas / Larissa Luz
Melhor Direção: Glauco Neves e Bruno Souri / Modo Hard / Circo De Marvin
Melhor Fotografia: Pablo Moreno Pires / Canto Africano / Raquel Monteiro
Melhor Produção: Adriano Ribeiro / Modo Hard / Circo De Marvin
Melhor Roteiro: Luan Ragedo / Kamikaze / Dario Nunes Moreira

Jackson Costa abraça “Escolas Culturais” como caminho contra violência em Itabuna


“A gente só sai da condição que está se fizer valer esse projeto: unir cultura, educação e arte”

Por Celina Santos

O ator Jackson Costa não abre mão de manter os vínculos com Itabuna, ainda que esteja fazendo trabalhos no eixo Rio-São Paulo. Escolhido padrinho do programa Escolas Culturais, lançado semana passada no Colégio Modelo Luís Eduardo Magalhães, ele toma o papel como missão e acredita que a iniciativa seja um caminho para tirar a cidade do cenário de violência que a insere entre as principais da Bahia.

Como você recebeu a atribuição de ser padrinho do programa Escolas Culturais em Itabuna?

Como uma mãe que recebe uma criança e precisa cuidar dela. Porque é um projeto muito bonito, que pode tirar a gente dessa condição que nós estamos aqui na região, de descaso, de violência. Por que Itabuna está sendo a primeira? Eu perguntei ao governador. Eu acredito que Deus sempre faz a coisa certa. Itabuna é quem tá precisando muito, porque a gente precisa abrir horizontes para as pessoas se desenvolverem. A gente só sai da condição que está se fizer valer esse projeto: unir cultura, educação e arte. E a gente consegue.

Qual sua primeira impressão sobre o que viu no Colégio Modelo, escolhido como Escola Cultural?

Pelo que eu vi aqui hoje, estamos com tudo na mão. Às vezes a gente quer e não tem suporte pra realizar; mas aqui a gente está tendo o suporte dado pelo governador e não é uma coisa utópica, paternalista. Não é de cima pra baixo; é aproveitando o que já existe de estrutura física aqui nessa escola, mas também o que já existe de ações culturais aqui, integrando a sociedade. Então, eu recebo como uma responsabilidade muito grande, uma alegria de estar presenciando esse momento, a possibilidade de a gente sair das trevas e encontrar a luz através da educação e da cultura.

De que forma se dará a sua ação como padrinho do programa?

É uma responsabilidade, mas eu não vou fazer nada sozinho. A proposta dele [do governador Rui Costa] é que muitos – se possível, todos – se unam nesse propósito. Eu já vi que aqui tem muitos e a gente precisa é ter cada vez mais gente.

Está disposto a vir aqui constantemente para colocar ideias em prática?

Eu quero estar aqui o máximo de tempo que eu puder, conversando com a direção da escola, com os movimentos de arte que são da escola e da comunidade, que entrem nessa ‘Arca de Noé’ para a gente se salvar. Se eu puder estar aqui todo mês, eu estou; se for preciso, toda semana ou passar um tempo aqui, eu quero vir. Porque eu sou daqui, eu nasci aqui e eu vou fazer por mim. Eu fazendo pelos outros, vou estar fazendo pra mim; e fazendo pra mim, vou estar fazendo para os outros.

Você recebe, então, como uma missão para sua vida …

Como uma missão! Todos nós temos uma missão aqui. Acho que a grande missão não é a gente pensar em nós, é pensar no outro. Então, é um trabalho que proporciona o desenvolvimento criativo, espiritual, o desenvolvimento da sociedade, das pessoas. Estou aqui para fazer o que eu puder fazer.

 

Ilhéus terá representante em encontro de Política e Gestão Culturais da Bahia


Teatro Municipal de Ilhéus - Secom

Ilhéus participa nos dias 25 e 26 deste mês, do IV Encontro de Política e Gestão Culturais da Bahia, no Centro de Cultura Amélio Amorim, em Feira de Santana. Promovido pela secretaria estadual de Cultura (Secult), por meio da Superintendência de Desenvolvimento Territorial da Cultura, o encontro tem o objetivo de fortalecer as redes dos agentes culturais existentes na Bahia. e incentivar a criação e a consolidação de órgãos institucionais dos poderes públicos municipal e estadual, além de formar e capacitar gestores.

O encontro é dirigido para dirigentes municipais de cultura, legisladores, conselheiros, gestores sociais e pesquisadores, artistas, produtores e ativistas culturais, estudantes e cidadãos interessados na formulação coletiva de diretrizes, formação em cultura e a articulação em rede. Dentre as novidades está previsto o lançamento do Roda Cultura Bahia que percorrerá os territórios de identidade, a exemplo do Portal do Sertão, Baixo Sul e Recôncavo, com debates com o secretário de Cultura, Jorge Portugal e visita a pontos e entidades culturais dos territórios e participação em manifestações culturais.

O gestor cultural Pawlo Cidade opinou que esses encontros servem para fortalecer as ações culturais do município e do território. “Programas e projetos tendem ao sucesso quando criamos ações em que o estado se torna parceiro. Juntos, somos mais fortes. As políticas públicas de cultura tendem a se solidificar, sobretudo em Ilhéus, que pensa em descentralizar e desconcentrar os recursos da cultura”, assegura.

“Deu a louca na Branca” no Teatro Municipal de Ilhéus, com Cacau Potásio


Cacau Protásio - foto divulgação -estreia comédia no Teatro Municipal (1)

A comédia “Deu a louca na Branca” estará em cartaz de 11 a 13 de agosto, no Teatro Municipal de Ilhéus, protagonizada, pela atriz Cacau Protásio. O espetáculo que retrata as perspectivas, os sonhos e a imaginação de Walt Disney traz narrativa irreverente e descontraída que evoca um dos ícones de referência às experiências lúdicas do universo infantil, conforme diz o ator Cacau Hygino, autor da peça teatral, que tem a direção de Regiana Antonini.

O autor da comédia relata que “a personagem Sebastiana talvez seja daquelas pessoas que vivem no mundo da fantasia. Pelo menos é o que se pode imaginar de alguém que tenta convencer a todos de que é a Branca de Neve, aquela mesma dos filmes de Walt Disney”.

Ainda de acordo com Cacau Hygino, “com repertório de vivências bastante inusitado, Sebastiana narra sua cômica trajetória até o momento em que supostamente foi descoberta por Walt Disney, a quem atribui a responsabilidade por tê-la transformado na personagem mais famosa de todos os tempos. Apesar de sua notável fama, porém, ela guarda uma revolta por seu criador; ele é quem teria feito com que o público sempre a visse e a chamasse como branca, embora fosse declaradamente negra”.

Keketa comemora 20 anos de carreira com show no Teatro Municipal de Ilhéus


Keketa comemora 20 anos de carreira com show no Teatro Municipal de Ilhéus – Imagem divulgaçã

 

“Keketa 20 anos: meus acordes, minha história” é o show que está marcado para o dia 2 de junho, a partir das 20 horas, no Teatro Municipal de Ilhéus. Keketa sobe ao palco acompanhado de experientes músicos de sua banda ‘Circuito Fechado’ e de convidados especiais, a exemplo de Abdias (de Salvador), Anne de Cidra, Chica de Cidra, Délio Santiago, Herval Lemos, Itassucy, Grupo Mania de Pagode, Vine Love, além do Coral da Ceplac. De acordo com sua produção, o show se caracteriza por celebrar a sua história, bem como valorizar e difundir sua música em território regional.

No show, Keketa interpreta canções que marcaram sua história, pelos 20 anos de carreira. “Isso me rendeu uma linha do tempo recheada de músicas, aprendizado com pessoas que fizeram crescer profissionalmente, participações em diversos festivais de música, bares, carnavais, réveillons, muitas festas, consolidação da banda – e agora quero compartilhar isso com meu público”, lembrou.

Ao longo de sua carreira, Keketa interpretou diversas canções que trazem referência da MPB, do pop, do rock, do samba – sua paixão. O que fez dele um artista respeitado em Ilhéus e no sul da Bahia. “Durante os 20 anos de minha carreira passei por diversos tipos de experiências e essa data tão importante em minha vida não poderia passar em branco”, destacou.

Cartaz

Festival de cinema no Centro de Cultura de Itabuna


Divulgação VI FECIBA Foto Renata Sant'Anna

O encerramento da sexta edição do FECIBA – Festival de Cinema Baiano começa nesta quinta-feira (09/06) em Itabuna, no sul do estado e segue até o próximo sábado (11/06), no Centro de Cultura Adonias Filho. Com grande parte da programação gratuita em todos os três dias de evento, o público poderá assistir a 25 filmes, entre curtas e longas metragens de ficção, animação e documentário, curtir exposições com artistas locais, além de participar de intenso debate acerca do universo cinematográfico baiano e brasileiro.

O início do festival se dará com a abertura da oficina de direção de fotografia, que sob o comendo de Jeronimo Soffer, seguirá acontecendo em todas as manhãs. Às 18:30, como parte da cerimônia de abertura e dentro do ciclo de homenagens ao ator Mário Gusmão, o espetáculo “Anjo Negro”, produção do Grupo de Afro do Encantarte, será apresentado, seguido do filme “Hereros Angola”, de Sérgio Guerra, dentro da Mostra Atualidades. O documentário retratam os nativos do sudoeste de Angola, na África, os hereros,  um povo de história milenar que preza pelos ensinamentos familiares e pela passagem de conhecimento e de costumes de uma geração para outra.

No sábado às 10:00, a Mostra Infanto-Juvenil exibe a animação “O menino e o mundo”, de Alê Abreu, que concorreu ao Oscar de melhor animação este ano e os curtas “Alguma coisa na vida”, do Coletivo LEM e “Como dissecar uma menina malina”, de Deoveki Silva. No início da tarde, às 13:30, a Mostra Bahia Adentro traz os filmes “Tom da Terra”, de Victor Brasileiro, “Candeias”, de Felipe Wenceslau e Augusto Pessoa, “Coroas” de Isaac Donato e Marília Cunha, “A morte no cinema”, de Evandro de Freitas e “Lira”, de Rava Midlej.

Às 15:30, dentro da Mostra Retrospectiva, a exibição de “Anjo Negro”, de José Umberto, dá continuidade à homenagem ao ator Mário Gusmão, que protagonizou o filme. Em seguida, às 17:30, a Mostra Competitiva exibe pela última vez o Programa 1 composto pelos curtas “Cordilheira de Amora II”, de Jamille Fortunato, “Órun Àiyé: A Criação do Mundo”, de Jamile Coelho e Cintia Maria, “Neandertais”, de Marcus Curvelo, “Entroncamento”, de Maria Carolina e Igor Souza e “Retomada”, de Leon Sampaio. Às 19h, os filmes “Tudo que aprendemos juntos” de Sérgio Machado e “Rotas da Marrabenta – Música moçambicana em movimento”, de Maurício Oliveira, encerram o segundo dia de programação dentro da Mostra Bahia Afora

No sábado, às 10h, a mesa redonda “A linha de fronteira se rompeu” contará com a participação do cineasta e ex-Secretário do Audiovisual do Ministério da Cultura (SAV/MINC), Pola Ribeiro, da realizadora e co-fundadora do Coletivo Gaiolas, Camila Camila, da poeta e professora Daniela Galdino e da escritora e criadora do CINEDUC – Cinema e Educação, Marialva Monteiro, que estará lançando na ocasião a terceira edição do seu livro “Cinema: uma janela mágica”. Às 15:30, a Mostra Sexualidades, que explora e discute a temática de gênero do cinema nacional e regional, traz os filmes “A seita”, de André Antônio e “Negra”, de Jaco Galdino.

Na sequência, às 17:30, ocorrerá a última exibição do Programa 2 da Mostra Competitiva com os curtas “Salitre”, de Lara Belov, “Sísifo do Vale”, de George Varanese, “Ana”, de Camila Camila, “IFÁ”, de Leo França e “Sandrine”, de Elen Linth e Leandro Rodrigues. Abrindo a noite de sábado às 19:00 a Mostra Atualidades, exibe o filme “A noite escura da alma”, de Henrique Dantas, um documentário experimental que aborda a ditadura militar e civil ocorrida na Bahia e tem sua linguagem desenvolvida no hibridismo entre o documental e a performance. Na sequência, na cerimônia de encerramento e premiação, o público irá conhecer os filmes vencedores da Mostra Competitiva de Curtas, nas categorias técnicas e de júri popular.

O VI FECIBA foi contemplado pelo edital 02/2015 – Agitação Cultural – Dinamização de Espaços Culturais da Bahia, vinculado ao Fundo de Cultura da Bahia – FCBA, promovido pela Secretaria de Cultura do Governo do Estado da Bahia e é uma realização do NúProArt – Núcleo de Produções Artísticas e da Voo Audiovisual.

Divulgação VI FECIBA  (1)